No último dia 27, o time de futsal da Barão participou do 4º Circuito AD Hering de Futsal. Os jogos aconteceram na APAMA e a Barão competiu nas categorias Sub-06, Sub-08, Sub-10, Sub-12 e Sub-14. Confira os resultados:

Sub-06
Barão  1 X 3  APAMA
Barão 3 X 1 SPACABLU
 
SUB-08
Barão 1 X 0 Hering
Barão 3 X 1 SPACABLU
 
SUB-10
Barão 1 X 3  SPACABLU
Barão 3 X 0 Hering
 
SUB-12 A
Barão 2 X 0 SPACABLU
Barão 0 X 2 APAMA
 
SUB-12 B
Barão 2 X O APAMA
Barão 7 X 0 SPACABLU
 
SUB-14
Barão 1 X 1  APAMA
Barão 3 X  2 SPACABLU

Os Meninos Perdidos da história de Peter Pan são originalmente crianças que as babás deixaram cair do carrinho sem dar-se conta. Se após sete dias ninguém os reivindica, as fadas os recolhem para a Terra do Nunca. Não há meninas lá, pois, conforme Peter, elas seriam muito espertas e não cairiam do carrinho, no que devo concordar que ele tem razão.
Outro tipo comum de meninos perdidos são os desgarrados do guarda-sol. Os pequenos por vezes aproveitam que a vigilância familiar relaxa para explorar o mundo sem bússola nem mapa. Quando percebem a ausência dos seus adultos, apesar de que foram eles mesmos que se afastaram, sentem-se abandonados e abrem o berreiro. Neste veraneio, até inventaram umas pulseirinhas eletrônicas, que permitem a localização da família quando a sirene do mini aventureiro começa a tocar.
Paradoxalmente, é mais fácil ser curioso e correr o risco de perder-se quando nos sentimos cuidados. Geralmente acontece com pequenos que desenvolveram a “capacidade de estar só”. Ela pressupõe o seguinte: uma criança vive em conexão direta com uma figura materna, fonte máxima de segurança, apesar de que ninguém pode estar presente o tempo todo. A duras penas ela acaba descobrindo que a mãe não some, nem ele, e que é bom que isso aconteça. Mas também há formas menos dramáticas de aprender, que é distrair-se, tornar-se capaz de ficar só. Acontece quando o bebê fica absorto em seus assuntos, cantarolando e brincando, esquecido de chamar a atenção da mãe ou de controlar seus movimentos. Eis uma pequena pessoa crescida, que tem em si mesma uma boa companhia. O fugitivo das areias é alguém que sai consigo mesmo a passear. Carrega dentro de si, por um tempo, seus adultos.
Os pais, nem que seja por momentos, também se permitem desligar na presença do pequeno. Distraem-se porque precisam tirar um pouco do pensamento essa obsessão de fraldas. Mas há os pesadelos, como os bebês que morrem esquecidos em carros, afogados ou são sequestrados. São ameaças que dificultam esse jogo benéfico de mútua desatenção, já que um vacilo pode ser fatal. Somos todos ousados sobreviventes dessas incursões perigosas nos momentos de desatenção que em algum momento vivemos. Não foi necessário o resgate mágico, mas alguma fada madrinha olhou por nós. Tristemente, isso não ocorreu com os pais e filhos que a fatalidade castigou. É bom lembrar que eles não são monstros. Pais e filhos precisam desligar-se mutuamente, nestes casos extremos algo falhou.
Até hoje me emociono nas praias em que há o hábito de colocar a criança perdida nos ombros e sair batendo palmas, com o coro dos banhistas, até encontrar a família da criança apavorada. A cena me leva às lágrimas, porque sinto que fora do guarda-sol familiar, há um mundo de gente disposta a zelar por nós. Quando dá certo, é bom perder-se do território conhecido para descobrir que há incursões seguras por terras estranhas. Faz parte da aventura interminável de crescer e, com sorte, baterão palmas por nós quando o medo chegar.

Texto da psicanalista Diana L. Corso

A partir de um convite do PASCH, alguns estudantes de alemão participaram do projeto Brunos Tagebuch, sob supervisão da Professora Iracema. O projeto consiste na escrita de um livro em alemão. O primeiro capítulo foi escrito por uma escola PASCH de São Paulo. Na sequência, após vários encontros para discussão e redação, surgiu o segundo capítulo, pensado e escrito por um grupo de estudantes da Barão. O livro já está em Florianópolis, onde será dada a continuação através do terceiro capítulo do Brunos Tagebuch (O Diário de Bruno). O livro percorrerá mais algumas escolas PASCH brasileiras até que a história seja concluída.  O Diário conta com vários enigmas e durante a construção da história cada grupo desvenda mistérios e acrescenta elementos, sem perder o foco dos acontecimentos mas deixando-a ainda mais atrativa. Confira as fotos.